Confrontos entre tropas do governo da Somália e a polícia mataram 16 pessoas na capital Mogadiscio, segundo testemunhas afirmaram hoje. As mortes mostram a falta de comando das forças de segurança somalis, após 20 anos de guerra civil no país.

O oficial de polícia Ahmed Nur afirmou que o confronto começou quando um policial executou um soldado à paisana. O soldado era acusado de pertencer a um grupo insurgente islamita. Nur disse que os colegas do militar chegaram ao local do ataque, no mercado Benadir, e então começaram a disparar nos policiais.

Um repórter da Associated Press viu 16 corpos no Hospital Medina, em Mogadiscio. Alguns deles usavam uniformes. Três das vítimas eram mulheres. O diretor do hospital, Mohamed Yusuf, disse que 30 pessoas estavam feridas. As informações são da Associated Press.