Confrontos entre forças da Turquia e do Iraque com militantes do Estado Islâmico próximos a um campo de treinamento nas cercanias da cidade do Mosul, no norte do país, mataram ao menos 18 extremistas, informou hoje o governo iraquiano.

A ação se desenrola ao lado do campo de Bashiqa, que no mês passado foi alvo de uma polêmica ao receber tropas turcas, que chegaram para proteger oficiais que treinam milícias sunitas que tentam recuperar Mosul do controle do grupo extremista.

Bagdá acusou a Turquia de violar a lei internacional e pediu para retirar suas tropas. O governo de Ancara retirou parte, mas não todo o seu efetivo estacionado ali.

Hoje, o presidente Erdogan Tarip afirmou que o EI tentou infiltrar Bashiqa, causando os confrontos. O ataque já teria sido repelido.

Nesta sexta, um militante do Estado Islâmico assassinou sua mãe após seus companheiros afirmarem que ela era uma infiel, disseram ativistas do Observatório Sírio de Direitos Humanos. Segundo o grupo britânico, a mulher foi morta por seu filho em frente a uma grande multidão na cidade de Raqqa, a capital do auto-proclamado califado do Estado Islâmico. Fonte: Associated Press.