O governo da China declarou-se nesta terça-feira “chocado” pelos comentários do ministro das Relações Exteriores do Japão, Seiji Maehara. O ministro chamou de “histérica” a reação da China sobre a disputa territorial de um arquipélago pelos dois países. “Nós nos sentimos chocados com o fato de que um ministro das Relações Exteriores de um país tenha feito tais comentários”, afirmou o porta-voz da chancelaria chinesa, Ma Zhaoxu, a jornalistas.

Os dois países asiáticos disputam a soberania sobre as ilhas Diaoyu (na denominação chinesa) ou ilhas Senkaku (denominação japonesa). A China interrompeu os contatos em nível ministerial com o Japão no mês passado, por causa da prisão do capitão de um barco de pesca chinês por autoridades japonesas. O Japão libertou o capitão, mas Pequim exigiu um pedido de desculpas. No início deste mês, as tensões pareciam ter melhorado depois que os primeiros-ministros dos dois países realizaram uma reunião improvisada no corredor após um jantar da cúpula de países da Ásia e Europa. Mas não foi o que aconteceu.

O governo japonês emitiu nesta terça-feira um alerta para seus cidadãos que planejam visitar a China, pedindo que eles estejam especialmente alertas, após protestos contra o Japão por causa da disputa territorial. As paixões nacionalistas se inflamaram na China, gerando protestos exaltados nas ruas do país por causa da disputa iniciada quando o Japão prendeu o capitão de um navio chinês, em 8 de setembro, perto de uma disputada cadeia de ilhas no Mar da China Oriental.

“Nós não podemos descartar a possibilidade de que manifestações similares possam ocorrer em qualquer lugar da China”, disse o Ministério das Relações Exteriores em comunicado. A pasta advertiu aos turistas e empresários que estejam “em alerta especial” quando estiverem pelas ruas da China, enquanto visitam o país. Também pediu para que os japoneses “prestem atenção em suas palavras e ações em público”.

Em 1º de outubro, a China emitiu um alerta de viagens para o Japão, após turistas chineses em uma viagem de ônibus terem sido incomodados na cidade de Fukuoka. A Administração Nacional de Turismo recomendou ao turista chinês que “preste atenção à segurança de sua viagem”. As informações são da Dow Jones.