A China anunciou hoje a primeira morte no país pela Influenza A (H1N1), popularmente conhecida como gripe suína. A vítima é uma mulher de 18 anos da região do Tibete, no sudoeste chinês, segundo a agência estatal Xinhua. O Ministério da Saúde, em breve comunicado, disse, sem dar detalhes, que a jovem morreu no domingo. “Esse é o nosso primeiro registro doméstico de morte por gripe suína”, afirma o texto. A preocupação no país cresce com o aumento do número de casos devido à chegada do inverno.

A China – bastante atingida no passado pela gripe aviária e pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) – tomou medidas rápidas, desde a descoberta da doença nas Américas, para evitar que o vírus da nova gripe se disseminasse. No mês passado, porém, o Ministério da Saúde advertiu que dezenas de milhões de pessoas no país mais populoso do mundo podem pegar a doença durante a temporada de inverno. O ministério disse que as mortes serão “inevitáveis”. A pasta contabiliza 21.453 casos de gripe A no país, incluindo 13 graves.

A China começou a vacinar sua população para a doença no mês passado. A Organização Mundial de Saúde (OMS) informou hoje que quatro pessoas no país tiveram efeitos colaterais moderados após receberem a dose. Uma porta-voz da entidade, porém, disse que isso não era motivo para as pessoas deixarem de se vacinar. Segundo ela, houve apenas quatro registros em 39 mil pessoas imunizadas. A porta-voz afirmou ainda que, segundo as informações que recebeu, os sintomas seriam problemas como fadiga muscular e dores de cabeça. As informações são da Dow Jones.