Um dia depois de militares venezuelanos consolidarem a ocupação dos principais portos e aeroportos regionais da Venezuela, o presidente Hugo Chávez elevou o tom nos ataques aos governadores opositores, acusando-os de querer derrubá-lo e conclamando o povo e as Forças Armadas a “derrotarem suas pretensões separatistas”. “Os governadores de Zulia, Miranda, Carabobo, Táchira e Nueva Esparta não querem governar, mas sim me derrubar”, afirmou Chávez, em seu programa Alô Presidente. “Esses caudilhos querem ter republiquetas dentro de nossa república, converter a fronteira ocidental em um território autônomo – e é por isso que eu conclamo o povo e as Forças Armadas a acabarem com as pretensões separatistas de todas essas máfias.”

As declarações foram feitas em um clima de tensão crescente no país. Além da tomada dos portos e aeroportos regionais, nos últimos meses decretos do presidente transferiram o controle de hospitais, escolas e outras instalações e serviços públicos dos Estados e municípios para o governo central. Na quinta-feira (19), o Ministério Público pediu a prisão do prefeito de Maracaibo, Manuel Rosales, a principal figura da oposição do país. Rosales denunciou ontem ser vítima de um “linchamento político” que pretende tirá-lo “da vida eleitoral”. O prefeito também negou a acusação de corrupção.