Não há nenhuma chance de se obter um acordo de paz entre israelenses e palestinos no curto prazo, declarou hoje o ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman. “Qualquer um que diga que um acordo definitivo pode ser alcançado dentro de alguns anos simplesmente não compreende a situação e dissemina ilusões, o que acaba provocando descontentamento e confrontação”, disse Lieberman à Rádio Israel.

A declaração pessimista do chanceler israelense coincide com a chegada ao Oriente Médio do enviado especial dos Estados Unidos à região, George Mitchell, em meio a esforços internacionais para retomar o processo de paz. Os comentários de Lieberman não refletem, necessariamente, a posição do governo com relação à política de paz, que é decidida pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Lieberman disse considerar mais viável um acordo interino de longo prazo entre as partes em conflito, deixando as questões mais espinhosas – como o status de Jerusalém e a situação dos refugiados palestinos – “para algum estágio bem mais adiante”. Ele não entrou em detalhes, nem especulou com relação a quanto tempo se referia.

A Casa Branca busca uma rápida retomada das negociações. Hoje, antes de entrar para uma reunião com o presidente de Israel, Shimon Peres, Mitchell declarou-se otimista e disse que os EUA manterão seus esforços para relançar em breve as negociações entre as partes em conflito. “Acreditamos que isto seja um passo essencial para que consigamos uma paz ampla” na região, declarou.