A Casa Branca, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e o enviado especial à Síria das Nações Unidas e da Liga Árabe, Kofi Annan, condenaram neste sábado os ataques que deixaram mais de 90 mortos na Síria, entre eles 32 crianças. A Casa Branca disse que está horrorizada com o ataque brutal na Síria e o porta-voz do Conselho Nacional de Segurança Erin Pelton afirmou que o massacre serve como um “testemunho vil para um regime ilegítimo” do presidente Bashar Assad.

A Casa Branca declarou também que o regime sírio está respondendo a um protesto político pacífico com uma “brutalidade indescritível e desumana”. Ban Ki-moon e Kofi Annan classificaram o massacre como uma “terrível e brutal” violação do direito internacional, afirmou o porta-voz da ONU Martin Nesirky. Eles “condenam nos termos mais fortes possíveis a matança, confirmada por observadores das Nações Unidas, de dezenas de homens, mulheres e crianças” em Houla, acrescentou Nesirky. O secretário geral da ONU e o enviado especial exigiram que os culpados pelo massacre “sejam responsabilizados.” As informações são da Associated Press e da Dow Jones.