A Câmara dos EUA rejeitou, por 318 votos a 97, um projeto de lei que elevaria o limite legal de endividamento do governo do país em US$ 2,4 trilhões. A rejeição já era prevista, já que o projeto foi apresentado por deputados do Partido Republicano como uma manobra para mostrar ao Partido Democrata, do presidente Barack Obama, que o Congresso só vai aprovar uma elevação no teto da dívida se ela vier acompanhada de um programa de redução de gastos.

“Hoje, estamos deixando claro que os republicanos não vão aceitar uma elevação no limite da dívida de nosso país sem cortes de gastos substanciais e uma reforma orçamentária real”, disse o presidente do Comitê de Recursos e Meios da Câmara, deputado Dave Camp (Partido Republicano/ Michigan).

O limite legal de endividamento, de US$ 14,29 trilhões, foi alcançado em 16 de maio, mas o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, disse que tem como aplicar “medidas extraordinárias” de modo a evitar um default até 2 de agosto. As informações são da Dow Jones.