Um juiz de Milão ordenou nesta terça-feira que o ex-primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, seja julgado por supostamente ter revelado informações confidenciais sobre a investigação de um escândalo bancário, ocorrido em 2005.

O advogado de defesa de Berlusconi negou que qualquer crime tenha sido cometido e afirmou que “tudo ocorreu como esperado”. A primeira audiência do julgamento foi marcada para 15 de março.

Berlusconi já enfrenta três julgamentos criminais por acusações de suborno, fraude fiscal e por pagar para fazer sexo com uma menor de idade. Ele nega todas as acusações.

O caso em questão ocorreu em 2005. Na época, a empresa de seguro italiana Unipol tentou comprar o controle da Banca Nazionale del Lavoro. O diário Il Giornale, de propriedade do irmão de Berlusconi, Paolo, publicou uma conversa entre Piero Fassino, então líder da oposição de centro-esquerda, e Giovanni Consorte, na época presidente da Unipol, na qual Fassino disse: “então, somos proprietário de um banco?”

De acordo com o juiz de Milão, que pediu o indiciamento de Berlusconi, as declarações de Fassino foram usadas por Berlusconi para prejudicar a oposição antes das eleições. As informações são da Dow Jones.