O Banco Central do Peru decidiu hoje manter sua taxa básica de juros em 3,25%. Em seu comunicado, o BC peruano argumentou que este nível é compatível com uma projeção inflacionária que converge para 2,0% no horizonte de 2015-2016. A instituição afirma que levou em conta que: a atividade econômica segue abaixo do potencial; as expectativas de inflação permanecem ancoradas dentro da meta; os indicadores internacionais mostram sinais mistos de recuperação da economia mundial, bem como uma volatilidade alta nos mercados financeiros e cambiais externos; e que a inflação nacional foi afetada por fatores temporários do lado da oferta que serão gradualmente revertidos.

O comunicado disse que os indicadores mais recentes de atividade produtiva e de expectativas das empresas e dos consumidores no Peru “continuam apontando um ciclo econômico débil, com taxas de crescimento de PIB menores que seu potencial”.

A nota informa que foi adotada, nesta reunião de maio, uma alteração nas taxas de juros das operações ativas e passivas em moedas nacional do BC do Peru com o sistema financeiro realizadas fora de leilões, “com o fim de contribuir para uma melhor distribuição de liquidez no mercado interbancário”. A taxa de depósitos no overnight agora será de 2% ao ano, a de compra direta temporária de títulos valores e créditos de regulação monetária de 3,80% e a de compra temporária de dólares (swap) será uma comissão equivalente a um custo efetivo anual mínimo de 3,80%, segundo o comunicado.

A próxima reunião de política monetária do Peru acontece em 11 de junho. (Gabriel Bueno da Costa)