Pelo menos 12 pessoas morreram quando três carros-bomba estacionados em uma área predominantemente xiita de Bagdá explodiram em um intervalo de meia hora, informou a polícia local. As explosões foram as mais mortíferas em um dia de derramamento de sangue em todo o Iraque, com saldo de 38 mortes.

Duas das três explosões atingiram quase simultaneamente o bairro de Karradah. Além das 12 pessoas mortas nas explosões, pelo menos 17 ficaram feridas. Enquanto isso, o embaixador iraniano em Bagdá, Hasan Kazemi Qomi, confirmou que Irã e Estados Unidos discutirão a crise no setor de segurança no Iraque em um encontro na terça em Bagdá, informou hoje a Agência de Notícias da República Islâmica.

"A composição das equipes de negociações incluirá os embaixadores do Irã e da América em Bagdá como chefes das delegações. Autoridades iraquianas assistirão à reunião", prosseguiu Qomi.

Em outros episódios de violência hoje, quatro pessoas morreram e sete ficaram feridas quando um carro-bomba explodiu a 200 metros da Zona Verde de Bagdá, uma área fortificada onde situam-se os principais órgãos do governo iraquiano e embaixadas estrangeiras como as dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha.

Ao todo, 38 pessoas morreram em episódios de violência registrados neste início de semana em diferentes partes do Iraque. Também hoje, o comando militar dos Estados Unidos em Bagdá informou que mais dois soldados americanos morreram durante o fim de semana.

Estima-se que as mortes de hoje elevem a 3.634 o número de militares americanos mortos no Iraque desde março de 2003, quando forças estrangeiras lideradas pelos EUA invadiram o país árabes em busca de armas de destruição em massa que nunca vieram a ser encontradas.