Atiradores mataram 16 pessoas em Karachi, maior cidade do Paquistão, hoje, no mais recente episódio de escalada da violência a atingir a metrópole paquistanesa. Pelo menos 48 pessoas, incluídos vários ativistas políticos, foram mortas e outras 48 foram feridas desde o último sábado, numa série de atentados, informou Sharmila Farooqi, uma porta-voz da província do Sind. A violência coincidiu com uma eleição regional no domingo, para preencher a vaga de um deputado estadual assassinado em agosto.

Karachi, uma metrópole com 16 milhões de habitantes, tem sido palco de episódios de violência política, religiosa e étnica. Embora a polícia evite apontar suspeitos pelos ataques, muitos “alvos” dos atiradores na cidade eram ligados a gangues, supostamente controladas por duas facções políticas rivais. As duas facções rivais de Karachi, o Movimento Muttahida Quami e o Partido Nacional Awami, têm suas bases eleitorais em grupos étnicos diferentes da cidade, que formam grande parte da população.

Em agosto, o deputado estadual Raza Haider, do Muttahida, foi morto a tiros em Karachi. Ambos os partidos competiram pela cadeira vacante. O Muttahida venceu a eleição, com o boicote do Awami, o qual afirmou que ocorreria fraude no sufrágio.