Uma jovem diplomata norte-americana morreu após a explosão de um carro-bomba do grupo islâmico Taleban, ocorrido no sul do Afeganistão, no último sábado. No domingo, um ataque aéreo promovido pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) deixou 11 civis mortos no país, incluindo 10 crianças.

Anne Smedinghoff, de 25 anos, natural do Estado de Ilinóis, foi uma das cinco vítimas norte-americanas do ataque. Ela estava viajando com um grupo para doar livros para estudantes, quando foi atingida por uma explosão.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, declarou neste domingo que Smedinghoff foi “inteligente e capaz”. Os pais da diplomata disseram ao jornal norte-americano Washington Post que sua filha “sempre procurou oportunidades para fazer a diferença” para moradores de países devastados por guerras. Anteriormente, ela trabalhava na Venezuela.

O confronto envolvendo a Otan aconteceu durante um intenso tiroteio com militantes do grupo islâmico Taleban. Além dos 11 civis afegãos, um conselheiro civil dos Estados Unidos também morreu, segundo autoridades do Afeganistão.

A coalizão liderada pelos Estados Unidos confirmou que os ataques aéreos foram acionados por forças internacionais durante a operação afegã-americana, em uma área remota da província de Kunar, próxima à fronteira com o Paquistão. A coalizão também afirmou que estava ciente de que civis foram mortos.