Um ataque aéreo hoje nas proximidades da cidade líbia de Ajdabiya, controlada pelos rebeldes, matou um deles e deixou outro ferido, disseram testemunhas e médicos. Explosões e disparos antiaéreos foram ouvidos no limite oeste de Ajdabiya, enquanto forças do governante Muamar Kadafi seguindo para o leste realizam ataques na importante cidade.

Aparentemente, as forças de Kadafi obtiveram vitórias em Brega, e já não está claro quem controla a cidade, 80 quilômetros a oeste de Ajdabiya. Os rebeldes ainda parecem manter o controle em Brega, mas moradores de Ajdabiya dizem que os oposicionistas foram aparentemente expulsos de Brega.

“Nós queremos uma zona de exclusão aérea e ataques cirúrgicos. Ninguém na Líbia iria se opor a isso. Nós queremos a Otan tomando as bases de Kadafi”, disse Suleiman al-Obeidi, de 43 anos, um médico em um hospital. “A menos que a Otan faça isso, ele (Kadafi) irá nos massacrar.”

As Nações Unidas e o G-8 discutem opções para uma intervenção militar a fim de auxiliar os rebeldes contra Kadafi, no poder há mais de quatro décadas. Muitos temem, porém, se envolver em uma guerra civil. Os insurgentes afirmavam no início que poderiam marchar até Trípoli e derrubar o regime, mas as forças de Kadafi contra-atacaram e, com isso, os pedidos por intervenção externa se ampliaram.

O general Abdel Fatah Yunis, que se demitiu do posto de ministro de Interior para se unir aos oposicionistas, agora lidera as forças militares dos rebeldes. Ele disse no domingo que suas tropas defenderiam Ajdabiya a qualquer preço, qualificando-a como uma cidade vital, que leva para Benghazi, segunda maior cidade do país e principal base dos rebeldes, e também para a cidade de Tobruk e o sul líbio.

Ontem, forças do governo jogaram por via aérea folhetos de propaganda, dizendo que iriam liberar a cidade de Ajdabiya dos “terroristas”. O texto prometia que as forças de Kadafi vasculhariam todas as casas, após dominar a cidade. As informações são da Dow Jones.