O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, disse neste sábado que a siderúrgica ArcelorMittal concordou em negociar uma solução sobre o destino de sua fábrica de aço no sul da Itália, conhecida como Ilva.

Conte e seus ministros de economia e desenvolvimento econômico mantiveram conversas de quatro horas na sexta-feira juntamente com os principais executivos da ArcelorMittal. Uma disputa entre a ArcelorMittal e o governo da Itália já dura há anos e pode levar ao fim das atividades do maior complexo siderúrgico da Europa, que emprega cerca de 10 mil pessoas, mas tem um longo histórico de poluição ambiental. Neste sábado, líderes sindicais insistiram que qualquer acordo deve excluir demissões.

A siderúrgica franco-indiana, que atualmente aluga a usina, quer sair de um
contrato que a obriga a comprar a planta de Ilva, em Taranto, após decisão do Parlamento de revogar o “escudo penal” que permitia que a Ilva continuasse poluindo acima dos níveis permitidos até que a multinacional a adequasse às normas atuais, apontou a agência de notícias italiana Ansa.

Fundada em 1905, a Ilva está sob intervenção do governo desde 2015, mas um acordo assinado em 2018 previa que a siderúrgica fosse comprada pela ArcelorMittal. A multinacional assumiu a gestão da companhia italiana em novembro daquele ano, com o compromisso de modernizar seu sistema produtivo e adequá-la às normas ambientais, mas agora diz que não quer mais o negócio.

Conte disse que os dois lados concordaram em adiar o julgamento da próxima semana
sobre a disputa do contrato. “Vamos permitir o desenvolvimento desta negociação”, afirmou. A empresa não se manifestou publicamente.

Fonte: Associated Press