O tufão Hagupit perdeu força e se transformou nesta segunda-feira (8) numa tempestade tropical, após ter provocado a morte de 21 pessoas e forçado mais de um milhão a ir para abrigos, embora não tenha passado pela maior parte de região central do país, que ainda sofre com o tufão que atingiu a área no ano passado.

Ainda que o pior tenha passado nas províncias centrais, onde o sol abriu nesta segunda-feira (8) após quatro dias de tempestades, Manila e outras províncias estão no caminho de Hagupit, que tinha ventos máximos sustentados de 105 quilômetros por hora e rajadas de 135 quilômetros por hora.

Meteorologistas disseram que a tempestade deve atingir uma cidade da província de Batangas, localizada a cerca de 100 quilômetros ao sul de Manila, ao cair da noite. Embora tenha perdido força considerável na comparação com o pico, a tempestade continua perigosa e pode prejudicar vilas costeiras, afirmaram.

Autoridades tenham expressado alívio com o fato de o tufão não ter causado grandes danos, mas advertiram que Hagupit ainda está em curso para a ilha de Luzin, onde Malila está localizada, antes de começar a se dissipar na direção do Mar do Sul da China.

Hagupit, que tocou o solo em Samar Oriental na noite de sábado, movia-se lentamente, a 10 quilômetros por hora e pode provocar fortes chuvas com potencial para provocar deslizamentos de terra e enchentes repentinas, segundo meteorologistas.

Traumatizadas pela morte e destruição provocados pelo tufão Haiyan, no ano passado, mais de 1 milhão de pessoas fugiram para abrigos emergenciais e locais mais seguros.

O prefeito de Manila, Joseph Estrada, disse que mais de 5 mil moradores de uma favela, nas proximidades de baía de Manila, foram retirados por causa da possibilidade de enchentes. “Estamos preparados treinados para isso”, afirmou Estrada à Associated Press, afirmando que seu maior temor é de enchente em toda a região metropolitana da capital, onde moram mais de 12 milhões de pessoas.

Hayian foi o tufão mais forte já registrado a atingir as Filipinas. Em novemboo do ano passado, sua passagem destruiu vilas e deixou mais de 7.300 pessoas mortas ou desaparecidas.

Hagupit provocou a morte de pelo menos 21 pessoas, dentre elas 16 moradores de vilas que se afogaram na província de Samar Oriental, onde o tufão tocou o solo, informou a Cruz Vermelha. A agência de resposta a desastre do governo informou a morte de apenas cinco pessoas, dentre elas três que morreram de hipotermia, afirmando que estava verificando as demais.

Fonte: Associated Press.