Em uma das campanhas eleitorais mais disputadas da história recente dos EUA, militantes e eleitores usaram massivamente a tecnologia para estimular que os demais americanos enfrentassem o frio, longas filas e a precariedade de alguns locais de votação.
Também para estimular o voto, as redes de televisão dos EUA combinaram entre si de não divulgar ao longo dia as notórias pesquisas de boca de urna.

“Meu Deus, eu estava tão ansiosa em saber se eu seria capaz de votar. Este é o voto mais feliz que eu já depositei na minha vida”, disse, em lágrimas, Annette DeBona, 73, após de sair de uma tenda improvisada em Point Pleasant, em Nova Jersey, um dos Estados mais atingidos pela tempestade Sandy na semana passada.

Em Hoboken, no mesmo Estado, um centro de votação improvisado sofreu um atraso de 40 minutos, provocando queixas das 60 pessoas que aguardavam na fila. Quando as portas finalmente se abriram, um voluntário saiu e disse à multidão: “Desculpem a aparência deste lugar, há dois dias estava sob dois pés de água”.

Galicia Malone, 21, em Chicago (Illionois), aguentou as dores de parto para votar. A caminho do hospital, insistiu em parar no seu posto eleitoral para depositar seu voto.

Também nessa cidade, uma mudança na distribuição dos distritos provocou a mudança de 20% dos locais originais de votação e desafiou a paciência de milhares de cidadãos.

No Estado de Virgínia, em Alexandria, os eleitores enfrentaram as temperaturas geladas exibindo no peito um enfeite com os dizeres: “eu votei na eleição presidencial de 2012”.

Muitos levantaram cedo para depositar sua escolha entre o democrata Barack Obama e Mitt Romney, empatados em todas as pesquisas de intenção de voto divulgadas nas últimas semanas.

Em um quadro que se repetiu em muitas partes dos país, muitos suportaram o frio e a escuridão da madrugada, a exemplo dos mais de 100 de eleitores que se perfilaram no centro comunitário de Falls Church, antes da abertura do local.

“Será uma participação maior do que o normal, com certeza”, afirmou a integrante da equipe de Romney Chris Redder, nesse subúrbio de Washington.

“Eu votei”

Milhares de americanos lotaram as redes sociais Facebook e Twitter para postar suas fotos do momento da votação e espalhar o que já se tornou um slogan informal desta terça-feira: “Eu votei”.

Um estudo do Pew Research Center mostrou que 22% dos entrevistados em uma mostra representativa de 1.011 eleitores anunciaram em quem votaram -ou planejavam votar.

Quase um terço dos eleitores foram encorajados a votar por causa de posts na mídia social, enquanto um quinto tentou convencer outros a votar no mesmo meio, de acordo com essa pesquisa.

Muitas pessoas reclamaram da longa espera nas sessões eleitorais. “Ufa! 1 hora e 45 mins depois”, twittou @trentfaris, mas ainda sim postou, orgulhoso, uma foto do seu “Eu votei”.

Feliz dia de eleições” foi postado no Twitter por pessoas do país inteiro, assim como as hashtags #VoteObama e #GoVote. A rede social também disponibilizou uma página dedicada às eleições americanas.