enkontra.com
Fechar busca

Mundo

Alemanha confirma chegada de Khodorkovsky ao país

Após passar 10 anos de prisão na Rússia por crimes que muitos consideram forjados, Mikhail Khodorkovsky saiu da cadeia nesta sexta-feira e imediatamente embarcou para a Alemanha. O presidente russo Vladimir Putin perdoou seu antigo rival na manhã desta sexta-feira e o Serviço Penitenciário Federal russo informou que Khodorkovsky deixou rapidamente a prisão IK-7, localizada na longínqua vila de Segezha, noroeste do país.

Khodorkovsky havia pedido permissão para viajar para a Alemanha para se encontrar com sua mãe, que passa por tratamento médico no país, informou o serviço penitenciário em comunicado. O Ministério de Relações Exteriores da Alemanha confirmou a chegada de Khodorkovsky ao aeroporto Schoenefeld, em Berlim, na tarde desta sexta-feira.

Durante o período em que ficou detido por acusações de evasão fiscal e fraude, Khodorkovsky, de 50 anos, mudou a sua imagem de poderoso e rico oligarca, geralmente arrogante, para a de um respeitado dissidente. O ex-magnata do petróleo se transformou num pensador político e escritor de editoriais que defende a justiça social e responsabiliza diretamente Putin pela estagnação da economia russa.

Não estava claro se Khodorkovsky manterá sua oposição ao Kremlin ou sequer se voltará à Rússia, mas ele declarou, após chegar à Alemanha, que pediu o perdão por questões familiares e que estava feliz por seu pedido ter sido aceito. Ele afirmou também que agora espera ver seus pais, sua mulher e seus filhos.

A libertação do prisioneiro, menos de 24 horas depois de Khodorkovsky ter sido perdoado, parece ter pego tanto o público quanto os advogados do empresário de surpresa. Sua libertação também foi cercada de mistério. Horas antes de ele receber permissão para sair da prisão, os advogados e a família de Khodorkovsky disseram que não tinham ideia de quando ele seria libertado.

Putin disse aos jornalistas na quinta-feira que Khodorkovsky pediu perdão porque a saúde de sua mãe está se deteriorando. O site do Kremlin publicou o decreto, na manhã desta sexta-feira dizendo que Putin foi “guiado pelos princípios da humanidade” ao decidir perdoar Khodorkovsky.

O perdão pareceu uma repentina virada para o Kremlin, que tinha processando Khodorkovsky desde que ele foi preso em 2003.

Libertar o mais famoso prisioneiro da Rússia, juntamente com a anistia a duas integrantes presas da banda punk Pussy Riot e para 30 ocupantes de um navio de Greenpeace que fizeram um protesto no Ártico, parece ter como objetivo aliviar as críticas internacionais contra o histórico de direitos humanos russo, antes da Olimpíada de inverno em Sochi, que acontece em fevereiro.

A decisão parece também refletir a confiança de Putin em sua permanência no poder e sua crença de que Khodorkovsky agora representa uma ameaça pequena a seu governo. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas