O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, culpou nesta terça-feira (29) os Estados Unidos e outros “grandes potências” pela proliferação nuclear, pela disseminação da aids e por outros males globais e afirmou que esses países exploram a Organização das Nações Unidas (ONU) e outras entidades multilaterais em benefício próprio. Segundo ele, porém, o tempo está ao lado dos países pobres. “As grandes potências estão em decadência”, sentenciou o polêmico presidente iraniano a chanceleres do Movimento dos Países não-alinhados reunidos em Teerã.

“O poder deles está chegando ao fim e o mundo encontra-se próximo de entrar em uma nova e promissora era.” Em discurso aos chanceleres, ele pediu ao Movimento de Países Não-Alinhados o desenvolvimento de um mecanismo para defender seus interesses e criticou a atuação “favorável às grandes potências” no âmbito do Conselho de Segurança da ONU e em outras organizações multilaterais.

O presidente iraniano também responsabilizou “grandes potências” pelas crises econômicas mundiais e defendeu o direito dos países em vias de desenvolvimento ter acesso à tecnologia nuclear para fins pacíficos. “Há muitos exemplos da ineficácia dessas organizações internacionais e da falta de reconhecimento dos direitos dos demais países por parte do Conselho de Segurança da ONU”, disse o líder iraniano.

Palestina

“Apesar dos riscos e da proibição da arma nuclear, eles continuam a produzi-la. Muitas organizações internacionais foram criadas para servir aos interesses das grandes potências e bloquear os demais países”, acrescentou. Ahmadinejad questionou ainda se “é possível que o Conselho de Segurança da ONU condene os EUA”. E prosseguiu: “se o Conselho de Segurança e a ONU tivessem atuado de forma justa a respeito dos problemas do mundo não existiria um problema chamado Palestina”, numa alusão à criação do Estado de Israel, seis décadas atrás.

O líder iraniano acusou as grandes potências de “fomentar a discórdia, intensificar a corrida militar e armamentista” para alimentar sua própria indústria de armas.A disseminação da aids, segundo Ahmadinejad, também é resultado das condições do mundo “imposta pelas grandes potências”. Ele ainda acusou o Conselho de Segurança da ONU ser uma ferramenta desses países e afirmou que o organismo é inútil em alcançar soluções para os problemas do mundo.

Ahmadinejad criticou ainda o indiciamento do presidente sudanês, Omar Bashir, por genocídio em Darfur e afirmou que o Tribunal Penal Internacional deveria acusar os líderes israelenses por matar oponentes e impor o embargo de suprimentos alimentares e médicos contra os palestinos.

O Movimento dos Países Não-Alinhados opõe-se “às medidas unilateralmente impostas por certos países, que utilizam a ameaça do uso da força, a pressão e medidas coercivas para alcançar suas políticas nacionais”, diz um comunicado divulgado hoje em Teerã. A declaração parece ser uma referência indireta aos EUA, que afirmam que usarão a força como último recurso se o Irã não interrompa seu programa nuclear.