A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, nas iniciais em inglês) anunciou hoje que cerca de 4 mil de seus funcionários serão dispensados do trabalho a partir de amanhã, porque os dois partidos no Congresso não chegaram a um acordo sobre o financiamento da agência. Os controladores de voo, considerados essenciais, continuarão a trabalhar normalmente.

O impasse no Congresso envolve uma iniciativa do Partido Republicano, de oposição ao presidente Barack Obama, para eliminar um subsídio federal de US$ 16,6 milhões para 13 aeroportos situados em zonas rurais. A soma é pequena em comparação com o total de gastos do governo dos EUA, mas os aeroportos que seriam afetados são localizados em Estados representados no Senado por membros influentes do Partido Democrata, como o líder da maioria no Senado, Harry Reid (Nevada) e o presidente do Comitê de Comércio do Senado, Jay Rockefeller (Virgínia Ocidental).

O corte desse subsídio foi aprovado na Câmara, onde os republicanos têm maioria. Como a Câmara entrou em recesso de verão hoje, ficou para o Senado, onde os democratas têm maioria, a alternativa de aprovar o projeto ou deixar que a FAA feche parcialmente. Um funcionário do governo Obama disse que os trabalhadores dispensados não serão reembolsados retroativamente pelo tempo perdido, a não ser que o Congresso aprove uma lei determinando que isso seja feito.

A FAA disse que perderá US$ 200 milhões por semana, já que as companhias aéreas passarão a não cobrar um imposto federal de 7,5% sobre o valor das passagens. Mas isso não deverá beneficiar os consumidores; a US Airways anunciou nesta sexta um reajuste em suas tarifas e analistas disseram esperar que as outras companhias do setor acompanhem essa decisão. As informações são da Dow Jones.