O início do julgamento de Tariq Aziz, um dos mais conhecidos assessores do ex-ditador Saddam Hussein, foi adiado por algumas horas nesta terça-feira (29) por causa de "questões organizacionais e de procedimentos", anunciou o magistrado Raouf Abdul-Rahman, presidente do júri. O julgamento deveria ter começado às 10h15 locais, mas teve seu início adiado para as 17h porque os réus não foram levados ao tribunal a tempo, anunciou o juiz.

Tariq Aziz, ex-vice-primeiro-ministro, de 72 anos, é um dos oito réus num processo aberto para julgar a execução, em 1992, de 42 mercadores iraquianos acusados pelo governo de estar por trás de um aumento no preço dos alimentos quando o Iraque estava sob um estrito embargo imposto pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Trata-se do quarto julgamento de funcionários do alto escalão do regime desde a queda de Saddam, em 2003. Aziz era o único cristão no círculo íntimo de Saddam e durante anos foi o funcionário do deposto regime mais visível no exterior.

Outros réus no caso incluem o meio-irmão de Saddam Watban Ibrahim al-Hassan e Ali Hassan al-Majid, um primo do ex-ditador mais conhecido como "Ali Químico" e que já foi condenado à morte em um julgamento anterior.