O presidente da Rússia, Vladimir Putin, minimizou o que chamou de acusações “intermináveis e sem base” sobre a interferência de seu governo nas eleições norte-americanas, descrevendo elas como parte da disputa política doméstica.

O líder russo criticou duramente o que descreveu a “carta da Rússia” no jogo político norte-americano, e afirmou que tal jogada é contraditória aos interesses locais.

“Nós queremos cortar completamente as relações?”, disse. “Queremos voltar à situação da crise de mísseis cubana nos anos 1960?”

Putin também rejeitou os pedidos do Ocidente para liberar manifestantes presos no fim de semana, afirmando que eles são uma “questão doméstica”. Esta foi o primeiro comentário público sobre os protestos contra a corrupção no governo.

No domingo, centenas de pessoas foram presas durante os protestos, os mais extensos em cinco ano. Entre os detidos, está o líder da oposição, Alexei Navalny. Fonte: Associated Press.