O Irã está pressionando a Organização das Nações Unidas (ONU) para que acabe o embargo de armas ao país, como parte de um acordo nuclear final, informou um diplomata iraniano. O prazo final para as negociações é nesta terça-feira, 7 de julho.

A demanda do governo do Irã está entre as últimas questões sendo negociadas entre o país e as potências do P5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, China, França, Alemanha e Rússia), na tentativa de chegar a um acordo nuclear final em Viena, na Áustria.

Os Estados Unidos afirmaram que terça-feira é o prazo final para as negociações, entretanto, representantes dos governos norte-americano e iraniano sugeriram secretamente, nos últimos dias, que as negociações podem se estender para o fim desta semana.

O oficial iraniano afirmou que seu país não quer que os parceiros de negociação busquem mais uma extensão do prazo final para um acordo, entretanto, afirmou que o Irã não vê o dia 7 de julho como um prazo final viável para completar o processo.

“Não vemos um prazo final definitivo para concluir nosso trabalho aqui”, disse o diplomata. “Se passarmos do dia 9 de julho, isso não será o fim do mundo. Precisamos de um bom acordo”.

“Qual foi a razão para a inclusão do embargo de armas, em primeiro lugar? Esta é uma das questões importantes que estamos discutindo”, disse o diplomata iraniano durante um intervalo entre as negociações, nesta segunda-feira. “Não deve existir espaço para um embargo de armas”, comentou.

Oficiais do governo dos EUA afirmaram que uma nova resolução do Conselho de Segurança da ONU deve ser elaborada como parte de qualquer acordo nuclear final. Eles acrescentaram que a resolução deve manter elementos do embargo de armas e outras restrições.

O diplomata iraniano, que participa das negociações em Viena, indicou que as demandas dos EUA podem não ser aceitáveis, acrescentando que a percepção do Conselho de Segurança da ONU sobre o Irã precisa mudar para apoiar um acordo nuclear.

“Em nossa opinião, o tratamento recebido pelo Irã pelo Conselho de Segurança tem sido terrível”, disse o diplomata. “Se você quer chegar a uma solução razoável…uma mudança tem de ocorrer”, comentou.

O diplomata também afirmou que houve um progresso significante nas negociações nas duas últimas semanas, declarando que apenas algumas questões finais precisam ser acertadas.

A chegada dos ministros de Relações Exteriores dos países envolvidos nas negociações, entre hoje e amanhã, deve ser crucial para chegar-se a um acordo, comentou o diplomata. Fonte: Dow Jones Newswires.