Integrantes do Movimento Sem Terra (MST) liberam desde a manhã desta terça-feira (17) ao menos seis cancelas de pedágio no interior do Paraná. As informações são da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O ato faz parte de um protesto que, além de defender a liberdade do ex-presidente Lula, preso na semana passada, relembra os 22 anos do episódio que ficou conhecido como Massacre de Eldorado dos Carajás – quando 19 trabalhadores rurais foram assassinados pela Polícia Militar no Pará.

Um dos pedágios liberados pelos manifestantes é o de Jataizinho, na BR-369, no Norte do Paraná, que no mês passado já havia sido palco de outra manifestação por ser o mais caro do estado. Daquela vez, o protesto foi contra o valor de R$ 22 cobrado para carros e que deram base para a deflagração da Operação Integração, que apura desvios nos termos aditivos dos contratos de concessão de rodovias federais. De acordo com a PRF, a pista não está interditada e há 150 pessoas no local.

Em Ortigueira, no km 321 da na BR -376, as cancelas também foram abertas, assim como no km 568 da BR-277, em Cascavel, no Oeste.

No Noroeste, em Campo Mourão, o pedágio que teve as cancelas liberadas foi o do km 378 da BR- 369.

Também no Oeste, uma manifestação sem interdição mantém a cancela aberta no pedágio em São Miguel do Iguaçu, na BR-277, no km 704.

Outro ponto de cancela liberada notificado pela PRF é o da BR-369, no km 0, em Jacarezinho.

Em sei site, o MST diz que os atos do dia – que se espalham pelo país – também fazem parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, para denunciar a paralisação da Reforma Agrária.

Manifestantes pró-Lula vão desmontar acampamento, mas não vão embora do Santa Cândida