O ministro da Saúde,Humberto Costa, que acompanha o presidente Luiz Inácio Lula
da Silva, na viagem à África, confirmou estudos para racionalizar o uso das
Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). "Estamos querendo estabelecer protocolos
mais atualizados e adequados para dar mais segurança aos médicos para permitir
que leitos de UTI tenham rotatividade maior e saber como lidar com os pacientes
graves", afirmou o ministro.

Ele disse que as novas normas para a
racionalização do uso das UTIs serão encaminhadas ao Conselho Nacional de Saúde.
A fiscalização será feita pelos estados, por intermédio dos conselhos regionais
de Medicina. O ministro ressaltou que o objetivo não é diminuir custos, mas
racionalizar o uso. "Se não existe um protocolo bem definido, são internadas em
UTI pessoas que não precisam. Tem que haver um protocolo para ver que pacientes
vão ou não para a UTI. Às vezes as UTIs são ocupadas por pacientes que não
precisam", disse o ministro. Segundo ele, entre 2003 e 2004 foram criados 2.500
leitos de UTI. Atualmente existem 20 mil UTIs em todo o País.

Com relação
à intervenção do Ministério da Saúde nos hospitais municipais do Rio de Janeiro,
Humberto Costa disse que já está querendo sair de lá o mais rápido possível.