O ministro da Defesa, Waldir Pires, voltou a defender nesta sexta-feira (3) a necessidade de se estudar a criação de uma carreira de controladores de vôo civis. "Defendo o transporte civil para a população civil", disse. "Estou convencido de que é uma boa solução. Aliás, não sou eu, é o mundo", afirmou Pires, que ressaltou a necessidade de que sejam estabelecidas regras claras para disciplinar o trabalho.

Ele admitiu que pode ter ocorrido um problema na administração nesta área, mas insistiu em dizer que "a Aeronáutica sempre fez um trabalho louvável no setor"."O Estado democrático não pode ficar refém de nenhum setor da sociedade, de nenhuma categoria", disse o ministro. "Não se pode admitir um Estado democrático paralisado, com a população desassistida, vendo o crescimento da situação de intranqüilidade nos aeroportos, com brigas, choques, polícia", declarou.

Segundo o ministro, os órgãos do governo vão estudar a nova carreira, mas ainda não há um desenho definido de como ela será. "Nós nos comprometemos a estudar passos que resultem em uma atividade civil do controle aéreo", observou o ministro, ao comentar que deve haver uma ligação entre os sistemas de defesa e civil.

Pires evitou polemizar com a Aeronáutica sobre os problemas do controle do tráfego aéreo, que levaram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a colocar o ministro Luiz Marinho (Trabalho) nas negociações com os controladores de vôo. Pires disse que não vê o menor motivo para o comandante da Aeronáutica , brigadeiro Luiz Carlos Bueno, ficar chateado ou deixar o cargo. "O brigadeiro Bueno tem o meu apreço e a confiança do presidente da República.