O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues, garantiu durante o lançamento da ExpoZebu 70 anos, em Uberaba (MG), que a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) passará a fazer a rastreabilidade dos animais zebuínos.

 

O anúncio foi feito na noite em que a associação inaugurou a remodelação de sua nova sede, e será oficializado na primeira semana de maio durante a ExpoZebu, maior feira pecuária zebuína do mundo. O evento de lançamento da ExpoZebu 70 anos contou com a presença de mais de mil pessoas, entre elas o ministro dos Transportes Anderson Adauto, o senador Aelton de Freitas e dezenas de outras autoridades vindas de todo o país.


A ABCZ, delegada do Mapa para realização de registro genealógico de zebuínos desde 1938, vinha reivindicando o direito de certificar bovinos há três anos. Para o presidente da Associação, José Olavo Borges Mendes, a decisão do governo irá facilitar o sistema de rastreabilidade no Brasil, pois a associação já detém o ?histórico? da vida dos animais zebuínos puros. Segundo Rodrigues, a entidade tem estrutura ideal para executar o serviço de rastreabilidade já que possui um banco de dados com informações de mais de 6 milhões de animais e registra 600 mil zebuínos por ano.

 

A rastreabilidade passou a ser obrigatória desde o ano passado para os bovinos abatidos com destino à União Européia. Ao contrário às notícias veiculadas em toda a imprensa nacional, as exigências feitas pelos países da Europa, maiores compradores da carne bovina brasileira, não estariam atrapalhando o desenvolvimento da pecuária no Brasil na visão de Rodrigues. Ele acredita que o Sisbov sofrerá ajustes no decorrer dos anos, e assim passará a atender melhor as necessidades dos pecuaristas e dos compradores internacionais de carne. A expectativa do ministro é de que a exportação de carne bovina cresça em torno de 10% a 15% este ano.


A vacinação contra aftosa e outras doenças, principalmente nas fronteiras, é apontada por Roberto Rodrigues como essencial para manter a liderança no mercado internacional. Outra medida importante são os investimentos em sanidade que o setor privado vem fazendo.