O secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ronaldo Shuck, garantiu que o suprimento de energia elétrica para atendimento ao consumo nacional está garantido pelo menos até o final de 2008. Ele faltou na abertura do 18o SNPTEE ? Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica, domingo à noite, em Curitiba. O evento é organizado pela Copel e reúne, ao longo desta semana, mais de 1,5 mil técnicos, dirigentes de empresas e de organismos reguladores, pesquisadores e investidores na área de geração e transporte de eletricidade.

Segundo o secretário, que na cerimônia representou o ministro Silas Rondeau Cavalcanti, a boa situação dos principais reservatórios do sistema elétrico e a expectativa de novos e significativos acréscimos à disponibilidade atual de geração permitem essa visão otimista. ?O regime de chuvas tem sido favorável, principalmente na região Sul do país, e também teremos o reforço de duas novas unidades na usina de Itaipu, que em breve adicionarão 1,4 mil megawatts ao sistema?, disse Shuck.

Desafio

Para o secretário, o grande desafio do setor elétrico na atualidade é tentar conciliar as necessidades de expansão da geração para atender ao consumo a partir de 2009 com a preservação do meio ambiente. ?Precisamos debater o assunto e buscar estabelecer uma relação de harmonia e equilíbrio entre as duas demandas?, opinou. ?Mas estou certo de que este Seminário organizado pela Copel nos oferecerá valiosos elementos para análise e reflexão?. Ronaldo Shuck aproveitou o momento do seu pronunciamento para convidar os organizadores do evento a fazerem, depois do Seminário, uma apresentação resumida dos principais trabalhos, debates e conclusões do evento aos dirigentes do Ministério de Minas e Energia, em Brasília.

A cerimônia de abertura do Seminário, realizado no Embratel Convention Center, teve também a participação de Rubens Ghilardi, presidente da Copel, Jorge Samek, diretor-geral brasileiro de Itaipu, Fernando Perroni, gerente da Eletrobrás representando Aloísio Vasconcelos, presidente da empresa, Paulo César Vaz Esmeraldo, presidente do Cigré-Brasil, e o ex-governador Paulo Pimentel, que presidia a Copel quando a estatal assumiu o compromisso de sediar a realização deste Seminário.