A partir de 2008, será obrigatório o uso de 2% de biodiesel no diesel automotivo. O percentual representa quase 1 bilhão de litros de biodiesel por ano. Com o objetivo de incentivar a produção de biocombustíveis derivados de oleaginosas como mamona girassol, palma e soja, além de cana-de-açúcar e outras fontes de energia, como o biogás, resíduos agropecuários e florestais, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues e o presidente da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Silvio Crestana, lançam nesta sexta-feira (4) em Piracicaba, a 152 quilômetros de São Paulo, o Plano Nacional de Agroenergia.

O lançamento será às 9h, na Escola Superior de Agricultura ‘Luiz de Queiroz’ (Esalq), onde está acontecendo desde o último dia 10 de outubro a 48ª Semana Luiz de Queiroz, com extensa programação técnico-científica, que terminará no próximo sábado (15).

A região de Piracicaba foi escolhida para sediar o Pólo Nacional de Biocombustíveis (PNB). O projeto do Pólo foi lançado no ano passado pelo governo federal e a escolha da cidade foi resultado da tradição da região no desenvolvimento do álcool combustível a partir da cana-de-açúcar. Dados da Associação dos Fornecedores de Cana de Piracicaba indicam que cerca de 8 milhões de toneladas de cana-de-açúcar são produzidas na região, que agrega 33 municípios.

As micro e pequenas empresa estão sendo beneficiadas com a implantação do Pólo. A cadeia produtiva metalmecânica ligada ao setor sucroalcooleiro possui atualmente, na região, cerca de sete mil empresas. Destas, 80% são micro e pequenas empresas e geram 76 mil empregos.

O Plano, elaborado pela Embrapa, vai criar o Consórcio Brasileiro de Agroenergia, que reunirá o setor produtivo privado órgãos de governo e um fundo de investimentos, visando a produção de biocombustíveis.

Segundo estudos desenvolvidos pelos ministérios do Desenvolvimento Agrário, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Integração Nacional e das Cidades, a cada 1% de participação da agricultura familiar no mercado de biodiesel do País, baseado no uso do B5 (mistura de 5% ao diesel), seria possível gerar cerca de 45 mil empregos no campo, a um custo médio de, aproximadamente R$ 4.900,00 por emprego.

Na região Nordeste, a Embrapa, por meio do seu zoneamento agrícola, mapeou mais de 600 mil hectares de terras aptas ao cultivo da mamona, o que pode representar uma alternativa para mais de 100 mil famílias de pequenos agricultores.