O Ministério das Relações Exteriores comunicará ao governo do Paraguai as decisões oficiais relacionadas à consulta pública aos arquivos brasileiros sobre a Guerra do Paraguai, a pedido da administração federal paraguaia, anunciou hoje a assessoria do Palácio do Itamaraty.

Na semana passada, o Poder Executivo do Paraguai divulgou uma nota na qual informou que pediria ao Brasil o esclarecimento sobre a posição oficial a respeito do assunto. Mas, em nenhum momento, o país vizinho solicitou o acesso à documentação brasileira ainda mantida sob sigilo.

Em princípio, o Ministério das Relações Exteriores não considera haver interesse direto da atual gestão paraguaia nos papéis arquivados há mais de um século.

A ministra das Relações Exteriores do Paraguai, Leila Rachid, demonstrou cautela ao afirmar, na semana passada, que o governo do presidente Nicanor Duarte Frutos não pretendia remexer no passado, mas trabalhar para o aprofundamento das relações bilaterais. Setores acadêmicos e da imprensa paraguaios entretanto, pressionam em favor do acesso aos arquivos confidenciais do Brasil sobre a guerra.

A assessoria do Itamaraty advertiu que a abertura à consulta pública dos arquivos mantidos até o momento em segredo deverá seguir as regras legais e constitucionais. Ainda assim, o acesso à documentação será analisado pela Comissão de Averiguação e Análise de Informações Sigilosas e terá, como um dos critérios, a contribuição para a "ampliação do conhecimento da história do Brasil e das relações internacionais do País".