Os chanceleres do México, Luiz Ernesto Derbez e do Brasil, Celso Amorim, decidiram hoje, em reunião no Itamaraty, relançar a comissão bilateral Brasil-México e concordaram em marcar a próxima reunião desse mecanismo para março do ano que vem, quando o cenário eleitoral de ambos os países já estará definido. O México terá eleições no dia 2 de julho e a posse está programada para 1º de dezembro.

Na relação bilateral, ainda será reativado o grupo consular para tratar especialmente da questão dos brasileiros que ingressam no México com o intuito de chegar ilegalmente aos Estados Unidos.

Em relação aos temas bilaterais, ambos os chanceleres evitaram mencionar à imprensa duas queixas que Derbez trouxe ao Brasil. A primeira relativa a projetos de investimentos da Petrobras na região do Caribe, área de maior influência da petroleira mexicana, e a outra sobre o ingresso da Venezuela como membro pleno do Mercosul, proposta que o México é contra.

Derbez disse que não responderia sobre a questão da Venezuela, porque não estaria completamente informado sobre o assunto. E ao tratar da questão da Petrobras, disse que gostaria da participação da companhia brasileira e do próprio governo no projeto de integração que o México tem com a América Central e com alguns países andinos (Colômbia, Peru e Equador). Segundo ele, a Petrobras tem experiência de exploração e processamento de gás e petróleo e também poderia atuar na área de fontes alternativas de energia nessa região.