O mercado financeiro reduziu novamente sua previsão para o crescimento da economia neste ano. A pesquisa Focus, divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), mostrou que a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 3,09% para 3,01%. Com o novo recuo, a previsão ficou ainda mais abaixo da projeção feita pelo próprio BC, de 3,5%. Há quatro semanas, a estimativa era de 3,2%. Para o ano que vem, a estimativa de expansão do PIB foi mantida em 3,5% pela sexta semana consecutiva.

A pesquisa, que envolve cerca de cem instituições financeiras, demonstrou, no entanto, uma maior previsão de crescimento da produção industrial. A estimativa subiu de 3,51% para 3,56%, interrompendo uma seqüência de quatro quedas seguidas da previsão para este indicador, que era de 3,81% há quatro semanas. Para o ano que vem, a projeção de aumento da produção industrial subiu de 4,2% para 4,3%. Apesar da alta, o crescimento estimado é menor que os 4,5% projetados há quatro semanas.

O levantamento do Banco Central apontou também uma retomada do aumento da previsão para este ano do superávit em conta corrente – que aponta o resultado das relações do Brasil com seus parceiros internacionais, tanto no âmbito comercial quanto financeiro. A previsão cresceu de US$ 10 bilhões para US$ 10,50 bilhões. O aumento interrompeu a seqüência de duas semanas consecutivas de estabilidade.

Um dos componentes do superávit em conta corrente é a balança comercial. A previsão para o resultado comercial, ainda de acordo com a pesquisa semanal do BC, ficou estável em US$ 43 bilhões pela terceira semana seguida. As previsões de superávit da balança comercial no próximo ano também não mudaram e prosseguiram em US$ 36 bilhões pela sexta semana consecutiva.