O mercado financeiro já mostra pessimismo com a inflação de 2005. As projeções para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do próximo ano aumentaram de 5 5% para 5,52% na pesquisa semanal feita pelo Banco Central (BC). A mudança aconteceu após nove semanas seguidas de estabilidade das previsões de inflação de 2005 e ajudou a empurrar para cima a curva de juros no mercado futuro. A reação do mercado veio lastreada nas preocupações explicitadas pelo Comitê de Política Monetária (Copom) na ata de sua última reunião com a evolução das expectativas de inflação no ano que vem.

Na visão de alguns analistas de mercado, a alta das estimativas de IPCA para 2005 poderá significar uma possibilidade de elevação dos juros já na reunião de setembro do Copom. Apesar desta leitura, os números da pesquisa divulgada na manhã de hoje ainda apontavam para uma previsão de juros estáveis em 16% ao ano no próximo mês. A piora no cenário de inflação também não afetou as previsões de taxa de juros para o fim do ano, que continuaram estáveis em 16% pela terceira semana consecutiva.

As expectativas em relação ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), por sua vez, melhoraram pela oitava semana consecutiva e passaram de 3,97% para 4%, alcançando um porcentual semelhante ao estimado por alguns analistas de mercado. As previsões de expansão da produção industrial seguiram a mesma tendência e aumentaram de 6,09% para 6,28%.

O levantamento do BC registrou, ao mesmo tempo, uma piora nas projeções de IPCA para o corrente ano. As estimativas, em função disso, passaram dos 7,19% da semana passada para 7,25% registrando o segundo aumento consecutivo depois do pequeno recuo verificado na pesquisa divulgada no dia 16. As previsões de IPCA em 12 meses à frente também aumentaram, passando dos 6 25% da semana passada para 6,27%.