O técnico Lothar Matthäus, do Atlético, estaria de saída para dirigir a seleção alemã no lugar do criticado Jürgen Klinsmann? A pergunta foi inevitável depois que Matthäus deixou rapidamente o Centro de Treinamentos do Caju, por volta das 16h30 de terça-feira, e tomou um avião para a Alemanha. Oficialmente, ele foi para resolver problemas pessoais.

O presidente do conselho gestor do Atlético, João Augusto Fleury da Rocha, acredita que Matthäus não vai deixar o clube. "Na Alemanha, pedra é pedra, água é água, pessoal é pessoal e profissional é profissional", disse o dirigente.

Ao pedir licença para viajar, Matthäus falou exclusivamente em assuntos pessoais. "Ficou limitado a isso", garantiu Rocha, revelando que não há prazo para retorno. "Depende da solução do problema dele."

Mas o dirigente entende que uma especulação sobre o aproveitamento dele na direção técnica da seleção alemã é natural. "Sendo quem é e com a reputação que tem é inevitável", admitiu.