O novo ministro do Trabalho, Carlos Lupi, disse que os controladores de vôo militares estão sujeitos a um código de comportamento e, nesse caso, acrescentou, "a regra é clara sobre não poderem fazer greve". Lupi fez tal comentário em uma rápida entrevista ao ser questionado sobre a regulamentação do direito de greve no serviço público, que está sendo estudada pelo Ministério do Planejamento. "Se for a favor ou contra, isso depende do setor", disse Lupi, evitando um posicionamento claro sobre greve.

O ministro afirmou citou como principais preocupações o reforço à fiscalização do combate ao trabalho escravo e a manutenção dos direitos trabalhistas existentes hoje. Em rápida entrevista, ao final da solenidade de transmissão de cargo, Carlos Lupi minimizou as críticas de alguns parlamentares de seu partido ao fato de ter assumido um cargo no ministério do governo Lula. "Há uma deliberação de partido para integrar o governo de coalizão. Em algumas questões o partido poderá dar alguma direção. Mas todos teremos que acatar a política de governo", definiu

A cerimônia de transmissão de cargo foi marcada por impaciência da platéia de militantes do PDT, especialmente durante o discurso de despedida do petista Luiz Marinho, que durou quase 40 minutos. Por duas vezes, Marinho interrompeu o balanço de suas ações para pedir silêncio à platéia. Numa intervenção mais nervosa, Marinho afirmou: "Tenho um companheiro aqui atrás reclamando muito. E eu gostaria de pedir para que saia se não quiser ouvir. Exijo respeito , estou fazendo um balanço da minha gestão porque tenho direito a fazê-lo.