O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou hoje (8), em edição especial do programa Café com o Presidente, que se sentiu ofendido ao ver a torcida do clube de futebol espanhol Real Madrid vaiar o jogador brasileiro Ronaldo. "Eu fiquei, como brasileiro, ofendido, porque o Ronaldo, mesmo no dia em que não joga bem, merece um reconhecimento pelo que ele já fez pelo Real Madrid, pelo Barcelona, pelos times da Holanda e da Itália em que jogou e sobretudo pelo que fez pelo Brasil", disse o presidente.

Lula escreveu uma carta de "incentivo" ao jogador. "Eu gosto do Ronaldinho. Acho ele um menino extraordinário. Resolvi mandar essa carta quase que como se fosse um pai, dando conselho ao filho".

Para Lula, a imagem positiva do Brasil internacionalmente se deve, em parte, ao jogador. "Devemos a ele parte da imagem boa que o Brasil tem no mundo, porque ele é um menino bom caráter, ajuizado e de cabeça no lugar. Um menino que ganhou três vezes o título de melhor jogador do mundo".

O presidente brasileiro ressaltou também que Ronaldo é um exemplo para a juventude brasileira. "Ronaldo representa muito, muito mesmo, para a juventude brasileira e para o futebol brasileiro". Lula lembrou que, em 2001, por causa dos problemas no joelho, imaginaram que a carreira de Ronaldo tinha acabado. "Esse menino se dedicou, trabalhou, se recuperou e foi o artilheiro da seleção brasileira na Copa do Mundo de 2002".

Na carta, Lula diz que o país confia no jogador e que "depende só dele transformar 2006 no ano em que ele pode ser o artilheiro da seleção, que ele pode marcar os gols que nós precisamos para ganhar a Copa do Mundo e que ele precisa estar bem com ele mesmo, porque o que não falta é gente no Brasil torcendo por ele".

Lula disse ainda que, como Ronaldo, sabe o que é passar por momentos difíceis. "Independentemente de ser brasileiro, sou um ser humano que tem sentimento, sei o que é passar por momentos adversos. Quando a pessoa está bem, no auge, não precisa de apoio. Quando está vivendo momentos adversos, é que a gente tem que mostrar que é companheiro".