"Os países ricos aprovaram as Metas do Milênio, mas estão fazendo muito pouco para dar ajuda aos países pobres, que precisam do estender de mão dos países ricos", afirmou hoje (19) o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no programa semanal de rádio Café com o Presidente.

Segundo Lula, é responsabilidade do Estado, da Organização das Nações Unidas (ONU), da Organização Mundial do Comércio (OMC) e da Organização Mundial da Saúde (OMS) ajudar os países mais pobres a cumprir as Metas do Milênio. Ele disse que o Brasil está lutando pelo cumprimento das metas, embora esteja "brigando muito menos" em defesa própria, pois "tem tecnologia, competitividade e competência para produzir, tem conhecimento e por isso não tem medo de disputar com nenhum país do mundo".

O presidente considerou a 6ª Conferência Ministerial da OMC, encerrada ontem (18) em Hong Kong, "uma rodada muito importante de negociações para o comércio exterior". Ele lembrou que, no encontro, países pobres e emergentes exigiram que os ricos abram mão dos subsídios às exportações agrícolas para terem mais acesso ao mercado internacional.

Lula ressaltou que há países latino-americanos e africanos que "dependem única e exclusivamente da sua produção agrícola. Por isso, precisam que o mundo rico abra seu mercado para venderem algodão, milho e o açúcar que produzem. Sem isso, os produtores não vão poder cumprir as Metas do Milênio", alertou.

Ao comentar a entrega do Prêmio Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, Lula destacou que o Brasil tem condições de atingir as Metas do Milênio e que muitos estão trabalhando para cumpri-las. O presidente disse que as 27 experiências selecionadas precisavam ser premiadas porque "não dá para esperar que tudo fique subordinado ao Estado, ao governo federal, ao governo municipal".