O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje que seu governo não vai permitir, em nenhum momento, que as eleições de 2006 sejam a prioridade "número 1" do governo, "como já aconteceu em outros momentos históricos do Brasil". Ele disse que o governo vai continuar priorizando o desenvolvimento sustentável do país e a consolidação de uma nova geografia comercial e política do mundo.

Ao discursar no almoço em sua homenagem, oferecido por oficiais-generais no Clube Naval, Lula afirmou que a economia brasileira está "definitivamento controlada". Segundo o presidente, a criação do G-20 (grupo dos 20 países em desenvolvimento) e a recente união dos países
sul-americanos vão colocar o Brasil em uma situação favorável. "A determinação da equipe econômica de nosso governo é não permitir que se tenha um crescimento econômico que dure apenas alguns meses ou alguns anos. Queremos um crescimento sustentável e que a gente não repita erros do passado".

O presidente voltou a dizer que 2005 será o ano do desenvolvimento, do crescimento econômico, da geração de empregos e da distribuição de renda, como ficou definido em reunião ministerial realizada sexta e sábado passados.

No discurso, Lula elogiou o trabalho que a forças armadas vêm desenvolvendo no país. "A sociedade reconhece nas forças armadas a virtude do patriotismo e a defesa da soberania nacional", ressaltou o presidente.