O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje a líderes da base aliada que está tranqüilo com a aprovação da medida provisória que eleva o salário mínimo para R$ 260. Segundo o líder do governo na Câmara dos Deputados, Professor Luizinho (PT-SP), o presidente mostrou-se tranqüilo mesmo diante do levantamento divulgado pelo senador Paulo Paim (PT-RS), que contabiliza 53 votos contrários à MP no Senado. ?O presidente está confiante. Na base aliada, todas as lideranças têm dito que vão estar com ele na votação do salário mínimo?, disse Luizinho.

O líder governista rebateu os dados de Paulo Paim com o argumento de que o senador sabe que não tem votos no Senado para derrubar os R$ 260. ?Então, ele quer derrubar a MP na Câmara. Ele está desesperado. Com isso, está querendo ser mais esperto e vai ser comido pela esperteza?, afirmou. Na opinião de Luizinho, o ?jogo de esperteza? de Paim não vai dar certo com a Câmara, que vai aprovar na semana que vem os R$ 260.

O líder do PT na Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), admitiu que há dissidências entre os petistas, mas disse que está trabalhando para garantir a unidade da bancada e aprovar o valor definido pelo governo federal. ?Não tem rebelde, não tem dissidente. Temos que trabalhar o conjunto?, ressaltou.

A medida provisória que eleva o salário mínimo, editada em 1º de maio, passa a trancar a pauta de votações da Câmara no dia 14 deste mês. A votação deve ocorrer na semana que vem para possibilitar maior debate entre os partidos da base e da oposição. Aprovada na Câmara, a MP segue para apreciação do Senado, onde também passará a trancar a pauta no dia 14, data em que vence o prazo constitucional de 45 dias para votação de medidas provisórias.