A decisão do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, de adiar por um mês a decisão de deixar o cargo no dia 2 de janeiro próximo foi tomada em atendimento a um pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com quem conversou nesta terça-feira (19). Segundo fontes do Palácio do Planalto, o acerto de Lula com Bastos – que reiteradas vezes havia confirmado sua opção por não permanecer no cargo durante o segundo mandato de Lula – é um indicativo de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não anunciará nomes de novos ministros no dia da posse, 1º de janeiro, e sim mais adiante.

Lula deverá fazer pessoalmente, na próxima quinta-feira, o anúncio das medidas destinadas a fomentar o crescimento econômico do País. Na quinta-feira, às 10 horas, Lula apresenta as medidas aos parlamentares do Conselho de Coalizão de Governo, conhecido como Conselho Político e formado pelos líderes dos dez partidos que apóiam o governo no Congresso. O anúncio oficial ao País será feito mais tarde.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, fez um relato sobre a conclusão dos trabalhos de elaboração do pacote de medidas ao presidente Lula durante a reunião de hoje dos ministros do grupo de Coordenação Política, na Palácio do Planalto. Dessa reunião participaram, além de Mantega, os ministros Tarso Genro (Relações Institucionais), Luiz Dulci (Secretaria Geral da Presidência) e Márcio Thomaz Bastos (Justiça).