Preocupado com as repercussões negativas sobre os índices de violência no País, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pretende aproveitar a sua fala na reunião de governadores marcada para hoje, na Granja do Torto, para defender uma ação conjunta com todos os segmentos da sociedade para vencer o que ele tem chamado de ?batalha?.

Ao contrário da idéia inicial, o presidente não pretende fazer anúncio de nenhuma medida do plano de segurança que está sendo preparado pelo governo, que inclui a tentativa de barrar o uso de celulares nas cadeias do País. Lula acha que o plano precisa ser mais aprofundado. Vai preferir ficar no plano político, defendendo a necessidade de se aliar segurança à educação, reiterando que só com investimentos maciços na educação será possível evitar que jovens sejam cooptados pelo crime. Por isso mesmo, de acordo com assessores, Lula pretende reiterar que governo e sociedade precisam se mobilizar na luta contra a violência. O pacote que está sendo preparado pelo governo só deverá ser anunciado depois que o novo ministro assumir.

O Planalto estabeleceu cinco projetos que estão no Congresso como prioridade para a segurança pública. Quatro deles estão na Câmara e propõem alterações ao Código de Processo Penal. O quinto, que está no Senado, propõe alterações à Lei de Crimes Hediondos e prevê que o condenado por crime hediondo deve cumprir 2/5 da pena para solicitar a progressão da pena.