Mesmo em visita a Seul, onde o fuso horário tem 12 horas de diferença em relação a Brasília, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou hoje manter-se informado sobre o andamento da operação governista para impedir a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Correios. Por telefone, Lula conversou com parlamentares e ministros.

Entre os que falaram com ele, estavam o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), e o chefe da Secretaria de Coordenação Política e Assuntos Institucionais da Presidência da República, Aldo Rebelo.

Outro que conversou com Lula foi o líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP). O presidente, segundo Mercadante, disse que o PSDB e o PFL estão empenhados em impor uma nova agenda política, com o objetivo de fugir da comparação entre as realizações econômicas e sociais do governo do PT com o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

A conversa do presidente com o líder do governo no Senado durou cerca de 15 minutos e ocorreu no momento em que a bancada do partido na Casa estava reunida e tinha decidido não assinar o requerimento de instalação da CPI.

Sempre de acordo com Mercadante, Lula assegurou que serão rigorosas e isentas as investigações em curso sobre as supostas irregularidades praticadas nos Correios.