O presidente Luiz Inácio Lula da Silva informou hoje que orientou o Comando da Aeronáutica a promover inquéritos policiais militares (IPMs) em caso de insubordinação de controladores de vôo militares e a decretar a prisão de controladores que eventualmente se amotinarem e paralisarem as atividades de controle do tráfego aéreo durante o período da Semana Santa.

O relato de Lula foi reproduzido no Palácio do Planalto, pelos líderes do PTB, deputado Jovair Arantes (GO), e do PSB, deputado Beto Albuquerque (RS). Eles participaram da reunião do Conselho Político. "Agora, está claro, para quem entrar em greve, o que significa um militar amotinado. A sociedade saberá que este País tem comando", afirmou Albuquerque, comentando a decisão de Lula.

Com a orientação dada agora ao Comando da Aeronáutica, o presidente recua de decisão anterior. No fim de semana, Lula suspendeu ordem de prisão de mais de uma dezena de controladores amotinados, dada pelo comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito. O senador governista Marcelo Crivela (PR-RJ), que também participou da reunião do Conselho, observou que a punição a um militar que se amotina pode ser de até oito anos de prisão.

Exemplo

Outro político presente à reunião, que não quis se identificar, contou que o presidente Lula citou casos de pessoas que sofreram com a paralisação dos controladores de vôo no fim de semana passado. Imagine uma senhora que comprou sua passagem, pagou em dez vezes, para visitar um filho. Nunca andou de avião, teve de passar dez horas no aeroporto, correndo o risco de não voar. Não podemos permitir que o povo fique refém dos controladores", disse Lula, segundo o relato.