Os líderes do PMDB no Senado Renan Calheiros, e da Câmara, José Borba (PR), vão divulgar daqui a pouco uma nota afirmando que a maioria das bancadas – 46 deputados e 20 senadores – é contrária à realização da convenção nacional convocada pelos diretórios estaduais, que foi marcada para este domingo. A decisão desse grupo, além de considerar que a Executiva não teve legitimidade para exigir a devolução de cargos do PMDB no governo, é também boicotar a realização da convenção de domingo.

O objetivo do documento é mostrar que, apesar da vitória da ala radical hoje na Executiva, o governo tem o apoio de número expressivo das bancadas na Câmara e Senado. "A nossa idéia é trabalhar até a última hora para evitar a convenção de domingo pois ela divide o partido, e, pelo regimento, os diretórios estaduais deveriam ter submetido a convocação à Executiva e não se auto-representarem", disse Renan.

O presidente do Senado, José Sarney, que neste momento preside a sessão plenária, deve ser reunir com os dois ministros do PMDB – Eunício Oliveira, das Comunicações, e Amir Lando, da Previdência. "Não tenho nada a declarar", afirmou Amir Lando ao chegar ao Senado, quando perguntado sobre possibilidade de entregar o cargo atendendo à decisão da Executiva do PMDB