O líder do PFL na Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ), negou hoje, em entrevista à Rádio Eldorado, que a oposição usará a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) Mista dos Correios como um "palanque eleitoral", conforme os representantes da base aliada afirmam. Segundo Maia, os dois lados participam de um tradicional processo político, no qual cada parte tenta mostrar a agenda de trabalho.

Ele afirmou também que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz campanha eleitoral desde o início do mandato.

"Nós (oposição) só vamos investigar o que tem de fato determinado. Neste momento, só há um fato determinado: corrupção nos Correios do presidente Lula", disse, acrescentando que os partidos opositores fazem apenas a fiscalização das ações do governo.

"Não é palanque eleitoral. Há uma desarticulação na base do governo e, neste momento, na articulação política, a crise é o próprio governo."

Sobre a tentativa da administração federal de indicar o nome do relator ou do presidente da CPI dos Correios, Maia afirmou que esta atitude mostra que o Poder Executivo perde a capacidade de obstruir as votações.

Segundo o líder do PFL na Câmara dos Deputados, a expectativa da oposição é de que a vaga para a relatoria seja preenchida pelo bloco PSDB-PFL do Senado, enquanto o comando da comissão ficaria nas mãos de representantes da base aliada do Executivo na Câmara.