Brasília – O líder do PSB no Senado, Renato Casagrande (ES), que participou na manhã desta quinta-feira (19) da reunião do Conselho Político do governo, defendeu que a reforma política que tramita no Congresso Nacional seja "fatiada" para que se vote os pontos de consenso entre os partidos. O assunto foi discutido com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os líderes dos 11 partidos que formam a base do governo, no Palácio do Planalto.

A fidelidade partidária e o financiamento público de campanha eleitoral são dois pontos que, na visão do senador, podem obter consenso no Congresso para se chegar a uma votação. ?A reforma política é uma matéria difícil de ser votada. Os partidos não têm unidade entre si para votar propostas de consenso. Por isso, é preciso avançar passo a passo?, defendeu. ?Vamos pontuar o que une e aglutina no Legislativo, e assim avançaremos na reforma política?.

Essa mesma proposição, de ?fatiar? a matéria no Congresso, foi  defendida no início do ano pelo então ministro de Relações Institucionais, Tarso Genro, hoje ministro da Justiça. Na ocasião, ele citou as duas propostas feita por Casagrande, além da votação em lista (partidos indicando candidatos). ?É melhor do que não sair nada. Se não atravessarmos esses três pontos, a reforma política não vai sair?, disse Genro na ocasião.

Renato Casagrande afirmou, ainda, que o presidente Lula não vai interferir nos trabalhos dos parlamentares para a aprovação da reforma política, mesmo sendo favorável ao fim da reeleição e ao mandato de cinco anos para o Executivo. ?Andam falando que ele pensa em 2014. Não é isso. Ele (Lula) disse que esse é um assunto dos partidos e do Congresso?, disse o senador.