Depois de uma Copa do Mundo fantástica, um "verão de conto de fadas", como a imprensa alemã chamou o Mundial disputado no país e o desempenho da seleção anfitriã, o treinador da Alemanha, Jürgen Klinsmann, renunciou hoje ao seu cargo, numa conversa com o presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB), Theo Zwanziger.

Apesar de receber elogios de todas as partes do país, de seus antigos críticos, como o Kaiser Franz Beckenbauer e o diretor do Bayern de Munique, Uli Höeness, Klinsmann não aceitou continuar à frente da seleção alemã e, como fez com a disputa entre goleiros antes da Copa e a convocação de David Odonkor para o grupo do Mundial, surpreendeu a todos.

Segundo o comunicado publicado no site do jornal Bild, o técnico entregou o cargo a Theo Zwanziger. A DFB confirmou como treinador interino da seleção o assistente de Klinsmann, Joachim Löw, que deve convocar a equipe para o primeiro jogo após o Mundial, um amistoso contra a Suécia, 16 de agosto, em Gelsenkirchen.