O ministro Carlos Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido de habeas corpus feito por Rogério Tadeu Buratti, ontem (8). Buratti, que irá prestar depoimento hoje na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, pretendia ser interrogado como investigado, e não como testemunha, o que lhe garante o direito ao silêncio sempre que uma resposta puder incriminá-lo, além de ser assistido por um advogado.

No entendimento do ministro, "não há elementos que vinculem Buratti aos fatos investigados pela CPI, razão pela qual, em análise preliminar, não seria possível tratá-lo como investigado".

Rogério Tadeu Buratti, ex-secretário municipal de Ribeirão Preto (SP), foi citado pela Gtech como consultor do governo indicado pelo ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz. No último dia 19, Buratti teve seu sigilo bancário quebrado pela CPI dos Bingos.