A Corte Federal de Miami recebeu na ontem 16 processos de advogados que, em nome das vítimas do acidente aéreo da Gol em 2006, pedem "milhões" de dólares em compensações pela morte dos 154 passageiros no acidente em setembro. Tanto o proprietário do Legacy, a ExcelAire, como os pilotos Joseph Lepore e Jan Paladino estão citados no processo, que pede a investigação do caso e os acusa de não ter mantido a altitude adequada. Outras empresas, inclusive a americana Lockheed Martin, estão também sendo acusadas.

O que os advogados apontam que é uma série de fatores gerou o choque entre o Legacy e o aparelho da Gol. Mas argumenta que os pilotos também não mantiveram uma comunicação correta com os controladores de vôo. Os pilotos permaneceram no Brasil por mais de 70 dias após o acidente e foram liberados a voltar aos Estados Unidos com a promessa de que retornariam ao País para as investigações.

No processo, o fabricante do transponder, Honeywell International, também é acusado de negligência. Um dos argumentos é de que o aparelho não teria funcionado de forma adequada no momento do acidente. O transponder é o que permite que os controladores de vôo saibam a posição exata dos aviões.