O Tribunal de Alçada do Paraná confirmou a condenação do eletrotécnico Cleverson Rosa de Amorim acusado pelo Ministério Público de ter matado, em 3 de junho de 2002, o pároco de Matinhos, no litoral do Paraná, padre Joaquim Raimundo Braz. Amorim havia sido condenado pela Vara Criminal de Matinhos a 21 anos de prisão em regime fechado. Ele foi acusado de latrocínio.

O padre Joaquim era bastante conhecido no litoral paranaense e suas missas carismáticas atraíam centenas de pessoas. Na noite do crime, ele saía de uma reunião e se dirigia para a casa paroquial, quando foi atacado. Ele voltou à sala, contou ter sido vítima de assalto e que levara um tiro. O padre foi levado ao hospital, onde morreu logo depois. Amorim foi preso no dia seguinte.